Outros posts

Bali, a ilha dos Deuses!

Um dos cenários do filme Comer Rezar Amar, sucesso estrelado por Julia Roberts, Bali mostra-se uma ilha da Indonésia com uma atmosfera especial. É, sim, paradisíaca, quente, viva, festiva e também um dos lugares que mais celebra o hinduísmo e o budismo, com cerca de 10000 templos espalhados em seu território. A vida em Bali se organiza em vilarejos, o trânsito revela-se caótico, mas aos turistas interessam os hotéis cinco-estrelas e pousadas honestas com relação custo-benefício satisfatória. De atmosfera inspiradora, a cidade de Ubud é considerada o centro cultural de Bali e costuma atrair os amantes das artes. Não faltam bons motivos para uma passagem por lá: vilas de moradores, artesanato, museus, galerias, palácios, spas, um povo muito amistoso etc. E mais – as paisagens formadas pelas plantações de arroz criam um cenário único. Em Kuta, praias, apresentações de danças típicas, festas noturnas de arrasar e um mar agitado reúnem surfistas e aqueles que buscam diversão. Nusa Dua alia resorts exclusivos e hotéis luxuosos a seu belo cenário numa área relativamente nova. Em Lovina, um dos melhores programas é assistir ao extraordinário pôr-do-sol.

A Indonésia é uma país composto por mais de 17 mil ilhas e predominantemente muçulmano (a maior população muçulmana do mundo vive lá). Cada ilha tem sua própria cultura e seu próprio idioma, mas a língua oficial do país é o bahasa indonésio e todos o aprendem na escola.

Imagino quão difícil deve ser administrar um país geograficamente e culturalmente tão dividido. Bali é uma das ilhas, sua religião predominante é o hindu, diferente do restante do país, e a língua local é o balinês.

Originalmente, a Indonésia era um país hindu até chegarem os muçulmanos, que implantaram sua religião no local e foram expandindo território. Os hindus acabaram confinados em Bali e mantém uma forte cultura até os dias de hoje. Uma vez na Ásia você começa a entender a grande influência que a religião tem na forma como as pessoas vivem, pensam, se comportam etc. Em Bali não é diferente, a religião está diretamente ligada à cultura local e tudo tem espírito próprio.

A primeira coisa que me chamou atenção foi ver pequenas caixinhas na rua pela manhã. Cada uma estava cheia de flores, um pouco de arroz, às vezes bala, cigarros, moedas e outras coisas mais. Durante o dia elas acabavam sendo pisadas, chutadas (pois algumas ficam no chão, na frente das portas), as comidas enchiam de moscas e os locais varriam e as jogavam fora. No outro dia novas caixinhas estavam lá nos mesmos lugares novamente!

Essas caixinhas são oferendas para os espíritos. Quando colocadas no chão são para os maus e quando estão em cima são agradecimento para os bons espíritos. Sim, os maus espíritos precisam ser agradados para que nada de ruim aconteça com a família. Cada família precisa fazer de 25 a 50 dessas caixinhas por dia e colocá-las por toda a casa, o único local que não deve ter é o banheiro, por ser considerado um lugar sujo, e elas são feitas manualmente, uma a uma, com folhas de palmeira e presas com palitos de bambu.

Oferenda aos deuses

Em um país tão religioso não é muita surpresa saber que existem muitos templos. Milhares deles! Existem 3 tipos de templos: os familiares (cada casa tem seu próprio complexo de templos, onde são realizadas cerimônias da família), os locais (cada vila tem o seu e são realizadas cerimônias para os moradores dessa vila) e os públicos (acessível a todos os locais, onde são realizadas cerimônias para os deuses). Muitos são abertos para turistas, mas algumas áreas são restritas para práticas religiosas dos locais e para entrar é preciso se vestir adequadamente. São 3 principais deuses em que os balineses acreditam – Brahma, que tem o poder da criação, Shiva, com o poder da destruição, e Vishnu, responsável pela manutenção.

Existem regras para entrar nos templos públicos e a principal delas é usar um sarong – algo parecido com uma canga que deve ser amarrado na cintura, como se fosse uma saia. Mulheres menstruadas são proibidas de entrar nos templos, pois são consideradas sujas. O mesmo vale para os familiares de uma pessoa que faleceu, eles devem passar 35 dias sem frequentar templos públicos pois também são considerados impuros (por estarem tristes pela perda de um familiar).

Melhor época

O regime de chuvas na ilha de Bali é diferente daquele existente em outras regiões do sudeste asiático. Chove torrencialmente de dezembro a março e as temperaturas são altas durante o ano todo, variando entre 24 e 33 graus em média.A melhor época vai de maio a outubro, que corrresponde à estação seca.

Principais Pontos Turísticos

Bali tem pontos turísticos e atrações muito diferentes e é justamente por isso que tantas pessoas se encantam pelo lugar. Uma viagem à ilha oferece paisagens naturais variadas, experiências enriquecedoras e atividades para todos os tipos de viajantes. Lembre-se de que as atrações principais da ilha ficam afastadas e que o ideal é você organizar seus passeios de acordo com a região onde elas se encontram, para facilitar no deslocamento.

As praias estão entre as principais atrações que as pessoas desejam conhecer em Bali e para isso recomendamos que você reserve um tempo para visitar o sul da ilha. Mesmo que o tempo não seja tão grande, vá ao menos à praia de Padang Padang e Uluwatu Beach, nossa preferida. Uluwatu é uma praia localizada embaixo de um paredão de pedras e que na areia possui cavernas formadas pela ação da água… Ao longo desse paredão, estão instalados restaurantes que têm uma vista espetacular! Vale muito a pena visitar a praia e colocar seus pés na areia, e depois dedicar um tempo a tomar uma bebida gelada e relaxar em um dos restaurantes com vista estonteante! 

Uluwatu-temple-pura-luhur-uluwatu

Após visitar as praias, estique o passeio até Uluwatu Temple, uma das principais atrações de Bali e um dos templos mais legais da ilha, porque também fica localizado em uma encosta na beira do mar. O templo tem uma vista linda para o pôr do sol e ao entardecer você tem a opção de assistir a Kecak Dance, uma dança típica de Bali feita num show impressionante. Só fique atento aos macacos, que adoram roubar os pertences dos turistas em troca de comida! Outro templo lindo e que vale muito a pena conhecer é o Tanah Lot, que foi construído em uma rocha no meio do mar. É um templo que reúne muitos turistas, principalmente no fim da tarde, quando o sol se põe atrás do templo. 

Seminyak também vale uma visita, não necessariamente por suas praias, mas pela região como um todo. O bairro tem uma atmosfera descontraída, boas lojinhas para fazer compras, excelentes clubs de praia para curtir uma tarde gostosa e restaurantes com pratos deliciosos. Se quiser curtir a vida noturna, a vizinha Kuta pode ser uma boa ideia. 

A região de Ubud e seus arredores rendem passeios lindos e o levarão a desbravar o lado mais autêntico de Bali. Ubud está cercada por campos de arroz, como o de Tegalalang, e possui templos muito bonitos e cheios de significado, entre eles Goa Gajah e Tirta Empul, que tem uma fonte d’água onde os balineses fazem um ritual de purificação. O Ubud Palace e Sarawasti Temple, bem no centrinho de Ubud, também são passeios legais e que permitirão conhecer melhor a arquitetura balinesa. Para quem gosta de passeios em meio à natureza, outra alternativa é visitar o vulcão Batur, o qual muitas pessoas visitam para ver, lá de cima, o sol nascer.

Tirta-empul-temple-pura-tirta-empul

Se quiser explorar um pouco mais, no norte de Bali fica Lovina Beach, que é uma praia onde, pela manhã, é possível admirar golfinhos nadando. O passeio sai de outra região de Bali, e é preciso acordar bem cedo para realizá-lo. Na área central da ilha ficam duas atrações legais, o templo Ulan Danu Bratan, que embora fique um pouco afastado é muito bonito e fotogênico, e os terraços de arroz de Jatiluwih, que ficam a 700 metros acima do nível do mar e são considerados Patrimônio Mundial da Unesco.

Santuário Sagrado dos Macacos 

 

DSC_0161

DSC_0167

DSC_0103

DSC_0160Para quem tem medo dos macacos não se preocupe, eles são bem amigáveis e o santuário tem vários treinadores espalhados por todas as partes. Tudo bem organizado.

Quanto Custa: A entrada custa Rp 30,000 ($2,30 USD).

Tegalalang Rice Terrace

Vale a pena visitar o Rice Terrace no mesmo dia que o Santuário dos Macacos ja que eles não ficam muito distantes um do outro (se tratando de Bali). Entrada é gratuita.

DSC_0199

Tanah Lot Temple

Um diferencial nos templos de Bali é a  rapidez para visitar cada um deles. Normalmente, pela Asia, leva-se bastante tempo para entrar nos templos, conhecer e etc. Já em Bali a entrada nos templos só e permitida com o intuito de oração, portanto os turistas só de passagem não entram. Ou seja, você chega, olha por fora, tira uma foto e vai embora.

DSC_0243

DSC_0264

Uluwatu Beach

Não vá com muitas expectativas porque as praias são mais para surfistas e, no caso da Uluwatu, o acesso não e tao fácil (tem bastante degraus).

DSC_0290

DSC_0277

GitGit Waterfall 

DSC_0345

Plantação de cafe – Baturiti

IMG_0643

 

DSC_0388

IMG_0645

Pura Ulun Danu Bratan

O cartão postal de Bali

Recomenda-se a visitar logo apôs a cachoeira já que fica no trajeto voltando para “a cidade”.

A entrada custa Rp 30,000 ($2,30 USD).

DSC_0366

COMO CHEGAR

Não há voos diretos do Brasil para a Indonésia, mas existem várias opções: você pode ir via África do Sul, via Europa ou, se for direto para a Ásia, via Singapura ou Jacarta, de onde partem vôos para Bali. No entanto, a opção mais interessante é por Sidney, que vai diretamente a Bali sem parar na capital.

 

Hospedagem em Bali

 

O trânsito em Bali é infernal. Não por tantos carros na estrada, mas pela falta de estradas. As estradas são sempre simples, sem acostamento e dificilmente consegue-se andar a uma velocidade maior que 40 km/h. Por isso qualquer deslocamento, mesmo que curto, demora uma eternidade.

Com duas localizações: Seminyak é Ubud, o hotel e famoso por oferecer quartos luxuosos com piscinas privativas, porem num preço que vai caber no seu bolso. Ubug e lindo e rodeado de arvores e mata, fora que e mais calmo e longe da agitação dos bares e restaurantes badalados. Excelente para quem quer descansar ou aproveitar a lua de mel.

IMG_0529

DSC_0069

DSC_0073

Seminyak |
A região de Seminyak e Kuta é onde a maioria dos turistas se hospedam. Mas para quem quer conhecer a “parte mais urbana”de bali e também o templo Tanah Lot.

 

Península de Butik 
Se você  curti praia e veio a Bali em busca de ondas perfeitas e mar paradisíaco, é na península de Butik que você deve se hospedar. Mas mesmo estando hospedado em Balangan, alugando moto ir até Padang Padang e Uluwatu é bem tranquilo.

 

Balangan 

 O Brothers Bungallow oferece cabanas de madeira e telhado em palha com bastante conforto, e claro, ar condicionado. Todas as cabanas estão localizadas em um bonito jardim, ao redor da piscina. A praia está a uns 5 minutos de caminhada.  

 

 

Gastronomia 

O que comer em Bali? Comidas típicas!punta.jpsite

No Brasil, o peixe típico na Indonésia também faz sucesso, mas sob o nome de dourado. No entanto, se a comparação for só financeira, o mahi-mahi estaria mais para a sardinha, já que é barato e muito popular.

gastronomia da indonesia

 

Similaridades, falando nisso, não faltam entre a cozinha da Indonésia e a nossa. O clima tropical é o grande responsável por isso. Assim, um sem-fim de frutas, quase todas conhecidas, como mamão, carambola, melancia e coco, estão presentes em sucos, saladas, in natura no café da manhã e no lanche. A fruta mais incomum comparada às nossas é o durian, afamado no mundo pelo forte odor que solta.

O que é difícil encontrar, de maneira bastante diferente do que ocorre aqui, são bebidas alcoólicas baratas e carne de porco, já que a maior parte da população é muçulmana, religião que proíbe o consumo dos dois itens. A menos, é claro, se você estiver em Bali – única ilha hindu do país – ou em outras praias badaladas da região.

Para acompanhar uma refeição, portanto, a melhor opção é beber chá, bem gelado. Ah, vale lembrar que o preço também é diferente. A comida da Indonésia, assim como praticamente tudo no país, é muito barata e não passa dos US$ 6 (a refeição).

No mais, os pratos típicos não fogem do combinado básico asiático predileto: arroz (nasi) ou massa (mie). O primeiro geralmente é preparado frito ou cozido com legumes e/ou frango e/ou camarão, além de ovo (como no nasi goreng), enquanto o segundo é servido na rua, como em Hong Kong, ou até vem empacotado, pré-pronto, como o nosso bom e velho miojo (que lá recebe o nome de “instant-noodle Indomie”).

Gado gado - comida indonesia

 

Outra comida típica é o o gado-gado (verduras, como couve flor, vagem, tomate e batata, cozidas no vapor com molho de amendoim; geralmente leva tofu). O amendoim e o leite de coco, por sinal, são usados com muita frequência para molhos e dão um toque suave a essa culinária, diferenciando-a consideravelmente das demais cozinhas asiáticas, carregadas em pimenta e condimentos.

Outro exemplo imperdível é o rendang, carne cozida com leite de coco e uma mistura de erva-cidreira, açafrão, gengibre e pimenta, que já foi eleita a melhor receita do mundo pela CNN. Uma caldeira especial e só servida em eventos comemorativos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:http://www.bagagemdememorias.com/bali-ilha-deuses/  http://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/bali-4/ https://guia.melhoresdestinos.com.br/pontos-turisticos-de-bali-202-2546-p.html http://www.aponthemap.com/o-que-fazer-em-bali/ http://www.aponthemap.com/bali-onde-ficar-hospedado/ http://www.viagensquesonhamos.com.br/2016/07/onde-ficar-hospedado-em-bali.html  http://www.360meridianos.com/2013/05/uma-indonesia-rica-tambem-em-pratos.html#ixzz4m9pSOGiD

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: